h1

Carne Vermelha – Nham Nham

março 30, 2008

 

( ainda bem que vaca não voa )

Saindo um pouco mais do RPG, a carne vermelha tem sido uma vilã entre algumas pessoas que eui conheço, daí resolvi fazer uma breve pesquisa pela internet e encontrei alguns benefícios que nossos amigos mugidores podem nos dar.

Pelas revistas Men´s Health e Saúde é Vital que tenho em casa,( resumindo muito ) , elas dizem que as coisas prejudiciais da carne são praticamente um mito, tendo em vista que a carne é essencial para qualquer um que use cérebro ou corpo para qualquer atividade.

Outra coisa, quem tem pena é galinha, os animaizinhos que se fodam. Lá vai a matéria é meio longa, gostaria que o Rafael ( Melegost ) colocasse sua opinião aqui em itálico, pois ele fazendo eduação física tem muito mais argumentos que eu para o bem  ou para o mal.

Já que vou falar só bem, lá vai o texto longo:

Dra Licinia de Campos – Consultora Gastronômica do SIC 23/11/2006

A carne vermelha é um alimento rico em nutrientes, que fornece proteína de alta qualidade e nutrientes essenciais – ferro, zinco e vitamina B12 – sem muita gordura. Contribuí com 20% da proteína diária para a dieta de um adulto médio,

24% da vitamina B12, 27% do zinco, 52% do ferro hemínico e 10% da gordura monoinsaturada, mas somente 8% das gorduras totais. Estima-se que a carne vermelha magra forneça cerca de 1/3 da ingesta total de ácidos graxos de cadeia longa, o Omega 3.

Qualidades nutricionais da carne bovina

Ferro

É essencial para o transporte de oxigênio e por conseqüência para a atividade física e otimização das funções cerebrais. É necessário também para a produção de energia da glicose, e crítico para o desenvolvimento do cérebro. Sua insuficiência pode resultar em anemia, fadiga, comportamento físico prejudicado e funções cognitivas danificadas tais como concentração, memória e aprendizado. A baixa ingestão é comum no mundo inteiro, inclusive em classes privilegiadas, tornando-se um problema de Saúde Pública. Dois fatores podem aumentar a absorção do ferro proveniente de leguminosas: carne bovina e vitamina C.

Grupos que mais necessitam do ferro no organismo:

Bebes de 6-12 meses :. O consumo é apropriado para bebes a partir dos 6 meses, mas deve ser preparada com cuidado para torná-la de fácil deglutição.

Crianças e adolescentes : os nutrientes encontrados na carne – proteína, zinco, fósforo e ferro- contribuem para otimizar o crescimento, funções cognitivas, desenvolvimento de hemáceas e prevenção da deficiência de ferro.

Grávidas: grávidas necessitam duas vezes mais de ferro. O suprimento adicional de ferro é requerido pelo feto em crescimento e sua placenta, assim como para aumentar as células vermelhas da massa materna total. O baixo consumo de ferro durante a gravidez causará um impacto mais na mãe que no bebe. A DRI (recomendação de ingestão diária) para ferro é de 22-36mg.

Atletas : além de ajudar a formar o músculo, a carne ajuda o atleta: a manter o nível sangüíneo, a manter os hormônios trabalhando e a prevenir as doenças, enriquecendo o sistema imune. Vários fatores determinam a quantidade de proteína necessária: duração e intensidade do exercício, grau do treinamento e energia despendida.

Zinco

É necessário para muitas funções essenciais como crescimento e desenvolvimento, manutenção do sistema imune, cura de ferimentos e controle do apetite. A carne bovina é a fonte nº 1 na dieta ocidental. Além disso, a carne aumenta a absorção do zinco dos outros alimentos quando consumidos na mesma refeição. O zinco é essencial também para a saúde reprodutiva em homens e mulheres. Sua deficiência pode afetar o crescimento fetal e aumentar o risco de complicações no parto. Nos homens, a deficiência de zinco pode resultar em contagem diminuída do esperma ou mobilidade lenta, que podem resultar em infertilidade.

A carne bovina é a fonte alimentar primária de zinco na dieta ocidental. Além de conter nível elevado de zinco absorvível, a carne bovina aumenta a absorção de zinco de outros alimentos que forem ingeridos na mesma refeição.

Vitaminas do complexo B

Trabalham na promoção do crescimento e manutenção da saúde. Caloria por caloria, a carne bovina é uma das melhores fontes de muitas vitaminas essenciais do complexo B. Uma dieta balanceada que a inclua pode fornecer a energia necessária para superar dias desgastantes.

• Vitamina B12 (cobalamina, cianocobalamina)

Esta vitamina, descoberta há mais de 50 anos, é conhecida também como cianocobalamina. Ela é famosa por combater a anemia e por ser um fator essencial para o crescimento. Aumenta a capacidade de memória e a concentração. Alguns estudos concluem que ajudaria a prevenir algumas formas de câncer e as crises alérgicas. A sua falta está associada a degenerações neurológicas, o que em casos extremos pode levar à paralisia progressiva. Esta vitamina participa na síntese de células novas, auxilia na manutenção das células nervosas.

A sua carência pode causar anemia, língua lisa (glossite), fadiga, hipersensibilidade da pele, degeneração do sistema nervoso periférico, paralisia. A doença causada pela sua carência é a anemia perniciosa.

• Niacina (ácido nicotínico, nicotinamida, niacinamida, vitamina B3)

A Niacina tem a primazia de ser a primeira vitamina a ser identificada, em 1897, compondo o complexo B. (B3). A carência desta substância no organismo está associada à Pelagra, doença que provoca inflamações na pele, diarréia e perturbações mentais. A niacina previne dores de cabeça, especialmente as da enxaqueca e também é capaz de auxiliar a digestão. Alguns estudos indicam que em doses elevadas podem colaborar nas desintoxicações e no tratamento da esquizofrenia. Esta vitamina atua no metabolismo energético, com ações relevantes para a saúde da pele, sistema nervoso e sistema digestivo. A sua carência pode provocar irritabilidade, perda de apetite, dermatite bilateral simétrica (principalmente nas áreas expostas ao sol), língua lisa e inflamada (glossite), diarréia. A ingestão em excesso pode provocar diarréia, náusea, vômito, vertigens, problemas na pele, comprometimento da função do fígado, hipotensão arterial.

• Vitamina B6 (piridoxina, piridoxal, piridoxamina)

Esta vitamina tem como função, participar na síntese e metabolismo de aminoácidos e ácidos graxos, auxilia na formação das células vermelhas do sangue (hemoglobina). A piridoxina, como também é conhecida, ajuda o organismo a aproveitar outros nutrientes. Ela também entra na linha de produção de alguns neurotransmissores, como a serotonina, e das células de defesa imunológica no sangue, portanto, tendo também função de aumentar a resistência orgânica. Sua carência pode levar a danos principalmente à pele e o cérebro. A vitamina B6 tem sido usada no tratamento da distrofia muscular e do alcoolismo. Associada ao ácido fólico e à vitamina B12, pode auxiliar na prevenção da aterosclerose, colaborando na manutenção de níveis adequados de homocisteína (substância que participa na causa da aterosclerose) no sangue. Durante a gestação, as mulheres precisam de doses suplementares a fim de evitar problemas para o feto, como retardamento mental. Essa vitamina também é capaz de auxiliar a redução dos sintomas de enjôo no início da gravidez. Carência desta vitamina pode causar também anemia, língua lisa (glossite), rachadura nos cantos da boca, irritabilidade, dermatite, irritação das células sebáceas, pedra nos rins. O uso em excesso desta vitamina pode provocar depressão, fadiga, irritabilidade, dor de cabeça, perda sensitiva e de reflexos por dano aos nervos, dificuldade de andar.

• Colina (vitamina B7)

É um nutriente essencial para os humanos. Exerce um papel vital na cognição e funções de memória de longo e curto prazo. Isso significa que o que se consome, também pode nos tornar mais “espertos”. A colina é necessária à transmissão nervosa, regulação biliar e funcionamento do fígado e formação de lecitina. Minimiza o excesso de gordura no fígado, ajuda a produção de hormônio e é necessária ao metabolismo de lipídeos e colesterol. Sem colina o funcionamento do cérebro e memória ficam prejudicados.

Entre outros nutrientes, a carne bovina contém uma quantidade significativa de colina.

Minerais

Selênio

Um conhecido antioxidante, ajuda a reduzir o risco de certos tipos de câncer e doenças cardíacas, assim como aumenta a habilidade do organismo em combater infecções. Suspeita-se que está envolvido com o metabolismo dos hormônios da tireóide. A carne bovina é a segunda fonte de selênio na dieta ocidental.

Fósforo

Importante para a formação dos ossos e dentes, também exerce importante papel na utilização dos carboidratos e gorduras pelo organismo, assim como a síntese de proteína para o crescimento, manutenção e reparo das células e tecidos. É crucial na produção de ATP, a molécula que o organismo utiliza para armazenar energia. A carne bovina é a terceira fonte de fósforo na dieta ocidental.

Lipídeos (gorduras)

De acordo com a Associação Dietética Americana, as gorduras são parte importante de nossa dieta porque:

• Facilitam o armazenamento de energia;

• Transportam vitaminas lipossolúveis;

• Insulam os tecidos do organismo.

Muitas pessoas acreditam que a maioria dos ácidos graxos da carne bovina é saturada. Na verdade, metade dos ácidos graxos presentes na carne bovina são monoinsaturados, o mesmo tipo de gordura saudável encontrado no azeite de oliva. Muitos especialistas acreditam que as gorduras monoinsaturadas podem diminuir o colesterol sérico e reduzir o risco de doenças cardíacas. Uma porção de carne cozida contem mais ácidos graxos monoinsaturados que saturados.

Cerca de 1/3 da gordura saturada da carne bovina é de ácido esteárico, que tem efeito neutro nos níveis de colesterol sérico em humanos. A gordura saturada restante que poderia causar aumento de níveis do colesterol sérico, é comparável tanto na carne magra quanto no peixe como no frango.

Ácidos graxos trans

É um grupo de ácidos graxos insaturados, encontrado principalmente em alimentos processados, contendo óleos vegetais parcialmente hidrogenados. Pode ocorrer também naturalmente em alguns produtos animais e vegetais, como a carne bovina, laticínios, romãs, ervilhas e repolho. É importante salientar que os ácidos graxos trans de ocorrência natural diferem significativamente dos ácidos graxos trans produzidos pelo homem. As diferenças estruturais dos dois tipos resultam em efeitos diferentes na saúde.

A gordura trans produzida pelo homem é criada durante o processo químico chamado de hidrogenação. Atualmente a grande maioria – cerca de 90% – de gorduras trans consumidas na dieta ocidental, provem de alimentos processados e petiscos como batatas chips, bolachas salgadas e doces, gordura vegetal e confeitaria (bolos, doces, etc), assim como alimentos fritos.

A gordura trans artificial é um problema porque as pesquisas demonstraram que aumenta o nível de LDL ou “mau colesterol” e abaixa o nível de HDL ou “bom colesterol”, aumentando portanto o risco de doenças cardíacas.

O ácido graxo que ocorre naturalmente na carne bovina e laticínios tem funções fisiológicas e biológicas bem diferentes, comparado à artificial encontrado em alimentos processados. As pesquisas (Estudo de Saúde das Enfermeiras) revelaram que enquanto a gordura trans artificial, derivada de gorduras vegetais, aumenta o risco de doenças cardíacas coronarianas, a gordura trans natural, de origem animal, não aumenta o risco e pode até diminuí-lo.

Ácido linoléico conjugado e ácido vacênico

Os dois maiores ácidos graxos trans que ocorrem naturalmente nos alimentos de origem animal – o ácido linoléico conjugado e o ácido vacênico – parecem ter efeitos benéficos na saúde.

O ácido linoléico conjugado (CLA), um derivativo natural do ácido graxo linoléico, tem recebido atenção cada vez maior nos anos recentes como possível anticarcinogênico. Este ácido tem demonstrado abaixar os níveis de colesterol total e do LDL e suprime a aterosclerose induzida pelo colesterol (espessamento e endurecimento das paredes arteriais). A ADA posicionou um relatório importante sobre alimentos funcionais que identifica o CLA como componente dos produtos de laticínios e da carne vermelha que pode alterar beneficamente a carcinogênese presente no câncer

Fontes de referência:
http://www.nal.usda.gov/fnic/foodcom
http://www.nutrition.gov./framesets/frameset.php3
http://www.ific.org/research/newconvres.cfm
http://www.wisc.edu/fri/clarefs.htm
http://www.fda.gov
– National Cattlemen’s Beef Association – July 2003

Ps: comam um bifão por mim

Anúncios

10 comentários

  1. Vaca não voa?
    tem certeza?


  2. fala avoloch, atualizei lá, hehehe.. acho que a morte do Gary me abalou mais do que imaginei (q coisa mais EMO/Elfo) :p

    vocês realmente são a razão para se ter um blog de rpg. vlw demias!


  3. ontem eu comi 4 hamburguerer de carne vermelha, eu realmente evito isso ao máximo, por isso ontem foi uma grande exceção, enfim, o fato é de que a coisa realmente demora para ser digerida. e as etapas não são nada amistosas xp


  4. atualizou beleza


  5. Médicos famosos como Adib Jatene (um dos grandes cardiologistas brasileiros) e Drauzio Varella é quem devemos escutar e não qualquer um que lê mitos.

    Carne vermelha é a maior fonte proteica que podemos achar dentro de nossa dieta!!! E de suma importância para o crescimento de crianças!!!
    Na verdade, o indesejável na ingestão de carne vermelha é a gordura que nela existe. Sem essa gordura, seria igual a qualquer outra carne. Se o indivíduo não apresenta dislipidemia, seu colesterol e triglicérides estão em níveis normais, pode comer carne vermelha sem nenhum problema. Precisa de controle e deve evitar o consumo dessa carne quem tem esses níveis alterados. Mas SEMPRE tudo que consumimos de maneira exagerada nos fará mal.

    e gente!! Carne é carne, hamburguer é outra coisa (muitos hoje parecem papelão rsrsrsrs)…e quanto aos animais, sou contra matança e crueldade mas bicho criado pra comer eu tenho pena se ele não for carnudo!!!


  6. Realmente são 20 faces de um nerd. Essa é a face mais Ana Maria Braga não? 😀


  7. me!!! bicho baum eh bicho morto e de preferencia dentro do nosso estomago , um churras por exemplo

    sucesso senhores!


  8. Eu ouvi dizer que a Beringela tem 4x mais proteína do que a carne vermelha..
    Não assino em baixo essa informação..

    Jogo Domingo?


  9. Yo, mas a proteina da carne
    vermelha tem mais valor biologico que
    qualquer proteina vegetal.

    a putrefaçao tah na gordura, q deve ter bastante acido. Q nojo.

    Mas se tiver um bom churrasco eu nao nego :D.


  10. coisa mais chata que eu ja vi



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: