h1

Rizzt a Ladina Eladrim

setembro 30, 2008

A noite de Lua Argêntea estava com um ar pesado e ao mesmo tempo feliz, as ruas feitas de ladrilhos de mármore branco batidos em meio a terra, pedras que trepidavam devido a multidão que comemorava o início do inverno. Os bardos cantavam as ultimas façanhas de heróis da cidade, e o povo aplaudia e reproduzia em acaloradas interpretações em forma de teatro.

O vento seguia um percurso entre as casas de arquiteturas orgânicas, e aquela porta estava fechada.

Chriztien, uma Eladrin, era dona da voz mais encantadora de toda região, barda durante o dia e contratada da família real durante a noite para serviços de espionagem, estava deitada em sua cama, gritava de dor, e os gritos eram abafados pela amordaça que estava em sua boca, cada fio de seu longo cabelo dourado grudava pelo corpo com a aderência do suor frio que escorria pelo seu corpo nu. Uma criança estava nascendo.

Laura, uma humana, dama de companhia de Chriztien, estava fazendo o parto. E ao fundo do quarto, sentado em uma banqueta, polindo sua espada e assoviando uma música suave, estava o Cavaleiro de Prata mais antigo da cidade, Drakilius, um Eladrin, conselheiro do Rei Thalion.

 

 

Ele se levanta, com a mesma feição de indiferença que chegara, beija a testa da criança, que nascera com cabelos e olhos brancos, faz sinal de silêncio pra Chriztien, e passa pela porta, indo embora.

 

Rizzt foi criada e treinada pela mãe, ficava fascinada quando aos domingos sua mãe a levava para a praça, onde tinha a feira. Rizzt ficava em cima de um caixote acompanhando sua mãe com os olhos. Chriztien praticamente sumia de visão, ela parecia dançar feito o vento entre as pessoas, tinhas passos e gestos leves e sempre trazia um presente pra Drizzt.

 

Quando Rizzt atingiu a maioridade, trabalhava em conjunto com a mãe. Influenciaram política, descobrindo documentos; Conseguiram artefatos poderosos para a Torre dos Magos; Investigavam locais, pessoas, e juntas agiam com simetria e sincronicidade.

 

Numa noite em que a lua minguava, Rizzt e sua mãe tinham uma missão dada pela rainha Lúthien, era a captura de um mensageiro que passaria pelas florestas ao sul da região.

Chriztien padeceu nas mãos daquele elfo negro, cujos olhos brilhavam vermelho intenso, e Rizzt despertou sua raiva nesse momento, onde a captura passou a ser morte da vítima.

Em seu ultimo suspiro, Chriztien conta sobre o pai de Rizzt.

 

Rizzt assume a posição oficial no lugar da mãe de espiã para a família real, e tenta se aproximar mais de Drakilius, que até então para ela,  era o amigo que lhe dava conselhos de como ela deveria agir, enquanto ela estava nos domingos em cima do caixote observando as habilidades da mãe.

 

 

Resumo: Rizzt, uma Eladrin que herdou o cargo de Espiã da Família Real de Lua Argêntea de sua mãe Chriztien. Seu pai é o mais antigo Cavaleiro de Prata Drakilius, conselheiro do Rei Thalion.

De dia, age como uma nobre diplomata na cidade, e a noite completa suas missões espiãs.
A Rizzt tem mais roupa, e tem o cabelo mais claro! Mas é mais ou menos como o mestre imagina
Anúncios

3 comentários

  1. gostosa….eu como humano comeria ela…ehhehhe e vou comer se pá!!!


  2. hauhauahauhauahuahauahu
    ninguem vai comer minha ladina nãooooooooooooooooo


  3. achei



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: